Tipos de Lapidação

A lapidação é uma técnica milenar aplicada em materiais gemológicos com o intuito de melhorar sua beleza. Ela acontece a partir de um conjunto de métodos de cortes e polimentos que ressaltam as características ópticas desse material e permite sua utilização em objetos de adornos pessoais. A forma e o tipo de lapidação são escolhidos considerando o formato do material e a presença ou não de planos de clivagem. Deste modo, existem dois tipos básicos de lapidação: a Lapidação Cabochão e a Lapidação Facetada.

O método mais simples de se cortar um material gemológico é conhecido como lapidação cabochão, cujo formato normalmente é oval, porém encontra-se também no formato circular, retangular, de coração, cruz e pendente. A partir dela, a gema adquire uma forma arredondada na face superior e uma base reta e pode apresentar cinco estilos básicos:

  • Cabochão simples, uma face é arredondada e a outra reta; 

  • Cabochão duplo, ambos os lados são convexos e a altura pode variar, aplicado por exemplo em rubis e olho-de-gato; 

  • Cabochão lentilha, fino e achatado com a mesma curvatura de ambos os lados, usado por exemplo em opalas; 

  • Cabochão oco, um lado é convexo e o outro côncavo, utilizado em gemas escuras que precisam de maior transparência;  

  • Cabochão reverso, um dos lados é convexo e outro reto, porém no lado convexo existe um pequeno espaço côncavo. 

Fonte: Malaquita lapidada em diferentes formatos de Cabochão. Imagem: Jade Stone. 

A lapidação facetada é geralmente aplicada em materiais transparentes. Ela consiste em cortar o material gemológico em faces planas, denominadas facetas, de modo que valorize suas propriedades físicas e ópticas. Os formatos dos cortes são divididos em dois grupos: a lapidação brilhante e a lapidação esmeralda, ou “step cut”.

A lapidação brilhante possui suas facetas triangulares ou losangulares podendo variar na altura e na largura. Ela é usada principalmente em materiais incolores e, quando aplicadas em materiais coloridos, são chamadas de fantasia (Fancy). Por outro lado, a lapidação esmeralda tem como função saturar a cor do material, portanto é aplicado em gemas coloridas. Nela, as facetas são retangulares e são estruturadas em degraus. O número de combinações entre as facetas são ilimitados, portanto a gema pode apresentar diversos modelos. 

Fonte: Demonstração da lapidação facetada. Vista superior de gemas ilustrando formas (a) redonda, (b) oval, (c) navete (ou marquise), (d) gota (ou pêra), (e) cushion, (f) quadrada, (g) retangular (baguette), (h) octogonal (corte esmeralda) e (i) octogonal (LAPIDART, 2003).

Vale ressaltar que o diamante possui suas peculiaridades, portanto a lapidação desse mineral possui particularidades específicas. Utiliza-se nele a lapidação brilhante - que muitas vezes é confundida com o nome da gema - a qual é responsável por aumentar  dispersão de luz e então valorizar suas características ópticas. 

 

 

Referências 

Klein, C., & Dutrow, B. (2012). Manual de Ciência dos Minerais. Bookman, 23. ed. 716p. (ISBN: 978-85- 7780-963-9). 

Nadur, A. V. A Lapidação de gemas no panorama brasileiro, 2009. 158 f. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, São Paulo. 

Terra, C. (2020). Gemologia: a ciência de mil cores. Terræ Didática, 16, 1-13, e020016. doi: 10.20396/td.v16i0.8658362

Terra, C. B. (2019). Introdução à gemologia: minicurso. Editora: Cassandra Terra Barbosa. Ed. 1, Brasília, p. 117. (ISBN: 978-65-901692-0-4).

 

<embed>
Copy and paste this code to your website.